V CONGRESO INTERAMERICANO SOBRE EL MEDIO AMBIENTE

 

CIMA 98

 

HABANA  -   CUBA

 

 

RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA

 

 ATERRO SANITÁRIO DA MURIBECA

 

 

                                                                                                             Novembro/1998

 

 

 

TÍTULO:  RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA

 

 

AUTORA: MARIA DE FÁTIMA  ( ENGENHEIRA AGRÔNOMA )

                   PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE - PCR

 

 

ÁREA:  ATERRO SANITÁRIO DA MURIBECA

 

 

ÓRGÃO EXECUTOR:  EMPRESA MANUTENÇÃO E  LIMPEZA URBANA

                                        - EMLURB

 

 

ENTIDADES ENVOLVIDAS:  PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE

                                                     (EMLURB - D.L.U.)

                                                    

 

 

EQUIPE TÉCNICA: PAULO ANDRÉ BEZERRA, MARIA DE FÁTIMA,MARIA DE FÁTIMA CINTRA, ADAUTO VILMAR, ANDRÉ SILVIO, PAULO NASCIMENTO.      

 

 

S U M Á R I O :

 

 

01  -  APRESENTAÇÃO

 

02  -  OBJETIVOS

 

03  -  METODOLOGIA

 

04  -  CONCLUSÃO

 

05 -  BIBLIOGRAFIA

 

06 -  ANEXOS

 

 

01 - A P R E S E N T A Ç Ã O:

 

 

Desde 1981, os Municípios de Jaboatão, Moreno e Recife vêm utilizando como depósito de lixo, uma área localizada na BR-101-Norte, denominada Aterro da Muribeca, em razão da inexistência de áreas alternativas com potencialidade de abrigar toda demanda do lixo desses Municípios, tanto em Recife, como áreas vizinhas.

 

Nosso trabalho foi iniciado devido a uma exigência do órgão de Controle Ambiental do Estado, onde exigia uma contrapartida por parte da Prefeitura de realizar algo que pudesse vir a minimizar os impactos ambientais, provocados pelos resíduos aquela área, como complemento do processo de biorremediação que se encontrava em implantação.

 

Iniciamos um projeto de arborização em fevereiro de 1995, com a revegetação de toda área que abrange a entrada do aterro, escritório da administração, creche, pátio de máquinas, com o plantio de capins nos taludes que dão formação a célula 01 do Projeto de Biorremediação e com estabelecimento de canteiros de ajardinamento. Para essa etapa usamos espécies encontradas nas matas vizinhas, outras oriundas do descarrego de caminhões da podação urbana e outras cultivadas nas Sementeiras da Prefeitura do Recife. Entre essas espécies estão:

Eucalyptus globulus L., Dalbergia spruceana Bent.,Tabebuia avellanedoe L., Delonix  régia, Caesalpinia  echinata Lam., Cocus nucífera L., Himenaea courbaril, L., Persea gratissima, Gaertn, Anacardium ocidentalis L., Psidium guajava L.,Eugenia uniflora L., Malpighia glabra,L., Mangiefera indica L., Psidium quajava L., Psidium araça, Raddi., Syzygium cuminil, Skeels., Anacardium occidentale L., Malphighia punicifolia L.

 

 Com esta fase inicial concluída, iniciou-se o planejamento e execução da fase principal, já com  experiência adquirida, verificando-se as espécies mais adaptáveis ao solo e clima local. Verificamos que  a capacidade de recuperação do ecossistema é limitada, requerendo maior empenho no estabelecimento de núcleos de vegetação, reflorestamento(em local desmatado), formação de barreira verde e plantio de  um pomar capaz de se auto disseminar, onde posteriormente faremos um monitoramento para verificarmos os metais encontrados nos seus frutos.

 

Para a consolidação de um núcleo de vegetação em torno do Aterro, usamos espécies nativas, incluindo fruteiras. Esse núcleo após atingir o seu ápice do desenvolvimento, será capaz de disseminar sementes pelo vento e através da fauna que será atraída pelos frutos e pelas flores. As plantas se encontram em pleno desenvolvimento, principalmente as que se referem ao ajardinamento; as que foram plantadas como barreiras verdes atingiram 1,50 de altura a exemplo das casuarinas (Caesalpinia echinata Lam.) e eucaliptus (Eucalyptus globulus, L.).

 

O projeto de remodelação do Aterro, foi planejado tendo em vista os conceitos de Desenvolvimento e Conservação  estabelecidos pela IUCN - União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, que tem por meta a conciliação entre Desenvolvimento Urbano e a Conservação da Natureza:

 

·     Desenvolvimento - a modificação da biosfera e a aplicação dos recursos humanos, financeiros, vivos e inanimados, visando à satisfação das necessidades humanas e à melhoria da qualidade de vida dos homens.

·     Conservação - a gestão da utilização da biosfera pelo ser humano, de tal sorte que produza o maior benefício sustentado para as gerações atuais, mas que mantenha sua potencialidade para satisfazer às necessidades e às aspirações das gerações futuras.

 

 

02 - OBJETIVO GERAL:

 

 Apesar da revegetação de uma área degradada por atividades humanas não consistir em plena recuperação ambiental, objetiva-se principalmente minimizar os impactos causados pela disposição de resíduos através do monitoramento ambiental e manejo ambientalmente saudável destes resíduos(Agenda 21). Essa iniciativa apresenta importantes efeitos  no equilíbrio ambiental, particularmente na proteção do solo, da água e do ar, além de exercer benefícios relacionados com o paisagismo, recreação e pesquisa da cobertura vegetal adequada para as células levando em consideração a capacidade de retenção dos gases na superfície, retenção de água  na zona das raízes.

 Os benefícios  da revegetação são de difícil  quantificação. Assim Rizzi, N.E.(1981) apresenta os seguintes indicadores de benefícios florestais indiretos:

 

·     Indicador de Custo: exprime em moeda, o preço da influência ou benefício da vegetação, indiretamente pelo custo posterior e infinitamente  superior a recuperação do solo, do ar e da água.

 

·     Indicador de Benefício: refere-se aos danos causados pela ausência da influência. É difícil a quantificação quando se refere a melhoria da saúde humana, pela atuação indireta da floresta.

 

·     Indicador Custo de Substituição: refere-se a outros meios de influir no benefício, sem contudo ser necessária a preservação ou reflorestamento da área. O custo da influência é igual ao custo de um outro projeto qualquer que evitaria os mesmos danos.

 

·     Indicador de Opinião Pública: esses indicadores  são mais especificamente para criação de infra-estrutura protecionista. A apresentação de indicadores à população poderá alertar a mesma para os benefícios de manutenção da área de preservação.

 

·     Indicador Relação Custo/Benefícios:  é a que melhor qualifica as influências e só é possível em termos monetários. Permite a avaliação do interesse ou prioridade de um projeto em relação a outro, em alternativa melhor. Para o caso dos benefícios seria necessário calcular todos os danos atuais devido a ausência da floresta, com vantagens potenciais que poderiam ocorrer no futuro com a criação de influências.

 

 

03 - OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

 

Os benefícios específicos  pretendidos  pela revegetação do Aterro da Muribeca são os seguintes:  A vegetação converte o escoamento superficial em escoamento subterrâneo e intercepta parte da precipitação. Grande parte dessa água precipitada será gasta na transpiração, enquanto outra restante se infiltra no solo e se escoa até os rios. Dessa forma, a vegetação protege o solo e os recursos hídricos.

A mudança de paisagem que geralmente caracteriza os lixões , já pode ser verificado com o início da arborização no Aterro, não só pela beleza, mas pelo seu funcionamento de um modo geral.

 

Com a formação dos núcleos de vegetação ocorrerá uma filtragem do ar e dos ruídos, além desses funcionar como quebra-vento e fornecerem sombra e amenizarem os odores dos gases expelidos pelos drenos  das células.

 

 Fato semelhante ocorre quando é feita a cobertura vegetal  nas células, isto porque, há um aumento da zona de oxidação na camada de topo, aos 5m, permitindo o favorecimento de microorganismos Metacotróficos e Quimiolitrotóficos os quais serão responsáveis pela remoção de odores e tratamento da camada de topo.(Lima, 1996)*

 

As degradações biológicas nos solos são feitas sobretudo por microorganismos, principalmente fungos e bactérias. Igualmente importante para a fertilidade, paralelamente ao clima, a umidade e ao tipo de solo, é a mineralização da matéria orgânica, ou seja a reciclagem natural; daí a importância de uma cobertura adequada  que venha contribuir com o processo de decomposição do lixo somando-se ao método da biorremediação.

 

04 - METODOLOGIA:

 

 

4.1 - CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA:

                           

·     A área do Aterro fica localizada na Zona Rural do Município de Jaboatão dos Guararapes, junto ao Eixo de Integração Prazeres - Jaboatão, distando cerca de 10,5 Km do Município do Recife. O terreno ocupa uma área total de 60 hectares, com perímetro de 3.848 metros.

 

                      

·     A bacia hidrográfica principal da área é composta pelo Rio Jaboatão e seu afluente (Rio Muribequinha), com uma presença significativa de córregos e riachos que nascem em torno do aterro, de uma beleza contrastante  com os 40% da área ocupada com depósito de lixo. A sua bacia possui uma área de 82 km2 e uma descarga mínima de estiagem de 227 l/seg.

 

·     A topografia original da área foi alterada, devido aos constantes depósitos de lixo sem planejamento, o que justifica o projeto de biorremediação,  que disciplina o descarrego procurando mudar o aspecto antes conhecido.

 

·     Os solos da área do perímetro apresentam consistência média chamados areno-argiloso, com boa fertilidade e excelente drenagem, sendo ocupado em algumas partes  pelo cultivo da cana-de-açúcar, vegetação rasteira e espécies já citadas.

 

 

4.2 - PLANTIO:

 

 

·     As mudas dos núcleos de vegetação foram plantadas com espaçamento determinado pelo tamanho da sua copa, em covas de 30cm x 30cm , com adubação de 4 a 5 litros de composto orgânico de lixo, produzido no próprio local . Como os nutrientes do composto permanecem  disponíveis no solo por longo tempo, não há necessidade de uma adubação posterior . Enquanto que as fruteiras receberam 2 a 3 litros de N-P-K (20-10-20) após 3 meses de plantio e está tendo seu desenvolvimento acompanhado. O Plantio foi feito em alinhamento para facilitar os trabalhos de rega durante o verão e melhor controle de limpa através de máquinas.

 

                             

 

·     A previsão para o ano de 1999, é que sejam implantados  03 núcleos de vegetação com áreas de 20m x 50m, usando aproximadamente 350 mudas de diferente espécies sem alinhamento, de crescimento rápido em plena luz(pioneiras e secundárias iniciais) .

 

·     Para a cobertura das células usamos a Braquiária decumbs (cultivar basilisk), por ser tolerante a solos ácidos e fracos, que durante a seca resiste devido as suas raízes atingirem 2m de profundidade à procura de nutriente. Conforme o Pesquisador R. M. Boddey do Centro Nacional de Pesquisa de Agrobiologia, a braquiária significa um impacto certo na composição e na fertilidade do solo e no balanço hídrico, com influência até mesmo na emissão e reposição de gases da atmosfera.

 

·     Semeadura  foi à lanço , seguida de cobertura  da área com palhas secas, germinando num período de 06 a 08 dias.

 

·     Para os taludes devido a declividade usamos o capim jaraguá (Hyparrhenia) colhido próximo ao local cortado em pequenos molhos e plantados em sulcos de  15 cm, distanciados em 20 cm em curva de nível.

                                                        

                             

5.0 -CONCLUSÃO:

 

Os resultados obtidos diante da recuperação de uma área degradada através da revegetação pode ser verificado nas figuras do anexo , onde o antigo pátio de triagem, área de 200 m2  fortemente impactada pelos resíduos dispostos sem nenhuma espécie de tratamento que foi transformado totalmente em uma área verde, com a construção de um mirante onde se tem uma visão de todo Aterro e verificar os trabalhos que estão sendo desenvolvidos.

Inicialmente a área foi dividida em células de 200mx200m, , que segundo Lima*, com a aplicação da biorremediação, do ponto de vista biológico pode ser classificada como processo de decomposição natural, associados a processos físico-químicos, similar ao que ocorre no trato dos ruminantes.

Após a divisão das células, estas recebem uma cobertura de barro, onde toda estrutura do processo já está em operação; então, é iniciado os trabalhos de cobertura  dos taludes e da parte superior com as espécies escolhidas.

Foi verificado que na área onde plantamos a grama não está ocorrendo expelimento de gás, nem tampouco no local onde as fruteiras foram plantadas, valendo salientar, que  abaixo da camada de 30 cm, existe lixo.

Há um trabalho de conscientização com a população com relação a coleta seletiva no local de origem, reduzindo em média 482ton/mês no volume de resíduos que se destinariam ao Aterro.

Com todo este trabalho humanizamos e minimizamos os efeitos degradante causado pelo homem a natureza com retornos previstos, ampliando a vida útil do Aterro, melhorando a qualidade de vida daqueles que ali freqüentam, e monitorando os gases expelidos, evitando a infiltração do chorume no lençol freático, além de servir de laboratórios para os técnicos de  diversas áreas e Universidades.

 

                              

 

6.0 - BIBLIOGRAFIA:

 

LIMA, L.M.Q. Proposta Comercial e Conceitual (Projeto de Biorremediação) - Muribeca, fevereiro,1994.

 

Brady, Nyle C. - Natureza e Propriedades dos Solos

 

Joly, Aylthon Brandão -Botânica - Introdução a taxonomia vegetal

 

Mota, Fernando S. da - Meteorologia Agrícola

 

Rodrigues, Davi Márcio Santos Rodrigues - Revista Techoje - Monitoramento Ambietal.

 

Valle, Cacilda Borges, Souza, Francisco H.D. - EMBRAPA - Revista Globo Rurral/ 143/97

 

IUCN - Estratégia Mundial para a Conservação - CESP, 1984.

 

FAO Los bosques al servicio del desarollo. Roma, 1985, s.n.t. 15p.

 

Meunier,  Isabelle - Manejo Florestal para Usos Mútiplos - URPE/1990

Ribeiro, Carlos Augusto S., Benefícios Sociais da Floresta - UFRPE/1990.

 

Vasconcelos Sobrinho, J. de. - As regiões naturais de Pernambuco, o meio e a Civilização.

                                                Recife, IPA/1949.

 

Molica  Silmar,  G. - Curso de Engenharia Florestal - UFRPE/ 1996