O paradigma econômico da reciclagem do lixo eletrônico

[et_pb_section bb_built=”1″ _builder_version=”3.19.18″ custom_css_main_element=”margin-top: -50px;”][et_pb_row _builder_version=”3.19.15″ border_width_all=”1px” box_shadow_style=”preset1″ custom_padding=”|20px||20px”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”Descrição” _builder_version=”3.19.18″]

A partir de uma discussão informal com Ana Waksberg (economista, mestre em políticas públicas, doutoranda em tecnologia e educação, etc..) sobre um conflito de ordem econômica: a maioria das empresas que reciclam qualquer tipo de lixo tecnológico são pagas para realizar tal processo. Isso significa que, na prática, a maioria dos resíduos eletrônicos reciclados provêem de grandes empresas que precisam se desfazer de grandes quantidades desse material, e pagam por isso.

Eis um paradigma econômico-industrial: O processo conhecido como manufatura reversa de eletrônicos não se paga com a venda dos produtos da reciclagem (sais e óxidos de metais e uma infinidade de plásticos e polímeros), ele só é viável quando é contratado o serviço de reciclar e ou neutralizar substâncias tóxicas juntamente com a destinção adequada de resíduos.

E o que acontece com o lixo que não se paga para reciclar? Aquele produzido por pequenos empreendimentos e consumidores domésticos? Legalmente, há um embate para ver de quem é a responsabilidade. Atualmente podemos ter duas interpretações da lei: partindo da permisa que material eletrônico é um poluente potencial (por conter substâncias tóxicas), a responsabilidade é do fabricante MAS pode-se entender esse material como lixo doméstico, o que daria a responsabilidade aos municípios. O embate do projeto de lei nacional de resíduos sólidos aborda a polêmica da logística reversa, que daria a responsabilidade de recolher, reutilizar, reciclar, neutralizar e dispor adequadamente subprodutos e resíduos aos fabricantes de produtos potencialmente poluentes ou tóxicos.

Deixar a responsabilidade a cargo das prefeituras é fadar o processo ao fracasso: todas, inclusive as mais ricas, enfrentam problemas financeiros para destinar o lixo doméstico em aterros certificados, o que acaba por favorecer lixões – que é a pior (e mais usada) solução social e ambiental que se pode dar aos resíduos, quais forem.

Como inserir esse fluxo doméstico de resíduos eletrônicos no ciclo da reciclagem? O dilema econômico é que o produto da reciclagem (matéria-prima) é muito mais barato que o equipamento inicial (tecnológico, alto valor comercial agregado). Como pensar num processo de reciclagem de eletrônicos economicamente viável? Sim, rentável, para se manter e não depender de subsídios financeiros.

[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”Ano da Publicação” _builder_version=”3.19.18″]
Ano da Publicação:
2012
[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”Fonte:” _builder_version=”3.19.18″]
Fonte:
Lixo Eletrônico.org
[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”Link ou Url:” _builder_version=”3.19.18″] [/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”Autor” _builder_version=”3.19.18″]
Autor:
Rodrigo Imbelloni
[/et_pb_text][et_pb_text admin_label=”Email” _builder_version=”3.19.18″]
Email do Autor:
[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Check Also

Lixo é no lixo

BY RICARDO RICCHINIIN RECICLAGEM DE LIXO ELETRÔNICO — 7 MAI, 2015 Lixo é no lixo, …