Avaliação do potencial de risco para a saúde da disposição inadequada dos resíduos sólidos

O presente trabalho, fruto de uma ampla pesquisa bibliográfica, pretende estabelecer uma asociação entre os

impactos ambientais, ocasionados pela disposição dos resíduos sólidos, e os efeitos sobre a saúde da população

exposta. O objetivo é demonstrar o risco ao qual esta população está sujeita e o quanto é necessário adotar

práticas de gestão mais eficientes quanto à proteção à saúde pública e ambiental das municipalidades brasileiras.

O trabalho foi desenvolvido em duas etapas. Na primeira, foram avaliados os impactos decorrentes da

disposição ambiental dos resíduos sólidos, associando-os ao tipo de resíduo disposto e a suas características

físicas, químicas e biológicas. Os impactos ambientais foram avaliados qualitativamente em uma matriz em

função do tipo de resíduo disposto e de suas características físicas, químicas e biológicas.

Em uma segunda etapa, foram identificadas as doenças passíveis de ocorrerem em conseqüência dos impactos e

efeitos provocados no meio ambiente e antrópico, pela disposição inadequada dos resíduos sólidos. Os efeitos

sobre a saúde foram avaliados de forma indireta, através da identificação das possíveis doenças capazes de

ocorrerem pelas alterações dos fatores ambientais e antrópicos avaliados anteriormente. Foram consideradas

todas as doenças passíveis de ocorrerem via resíduos sólidos, como conseqüência das alterações ambientais

avaliadas e da introdução ou presença no meio ambiente do bioagente, do agente químico ou do vetor mecânico

ou biológico identificados, por algum dos estudos consultados, nos resíduos sólidos, no chorume ou em

células de aterro sanitário.

A realização deste estudo mostrou o quanto a relação Resíduos Sólidos versus Doença é complexa e o alto

risco ao qual a população está sujeita devido à disposição inadequada dos resíduos sólidos

Check Also

Lixo orgânico é o alvo da vez na reciclagem

Compostagem de resíduos orgânicos ganha força com coleta domiciliar Clique para ler a notícia na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *