Potencial de reciclagem de resíduos em um sistema com coleta de lixo comum

Nos Resíduos Sólidos Urbanos de uma determinada região existe
um potencial para reciclagem que pode ser quantificado. Neste
estudo, foram realizadas as caracterizações em termos de massa
e volume dos resíduos de uma comunidade com cerca de 210
mil habitantes (Araraquara-SP, Américo Brasiliense-SP e Santa
Lúcia-SP), onde existe uma central de triagem na qual se separam
os resíduos em matéria orgânica, materiais comercializáveis
(plásticos, papéis, metais, vidros, etc.) e rejeito. Esses rejeitos também
foram quantificados quanto à sua fração de filmes plásticos
(sacarias em geral) potencialmente recicláveis que, por serem pequenos
ou estarem muito sujos e não serem comerciáveis, não são
separados na triagem. Tais filmes foram submetidos a um processo
de reciclagem, que foi monitorado por ensaios no efluente de
lavagem e por medição de propriedades mecânicas, visando avaliar
o produto final reciclado. Os resultados da caracterização em
massa dos resíduos sólidos, considerando também estes filmes,
mostraram que 52,6% são constituídos de matéria orgânica,
5,4% de materiais potencialmente recicláveis, sendo que destes,
cerca de 4,3% são plásticos potencialmente recicláveis. Das 150
toneladas diárias de resíduos separadas diariamente pela unidade,
cerca de 68,5 toneladas (45,7%) são rejeitadas sendo que,
neste rejeito estão presentes cerca de 5,5 toneladas de filmes
plásticos potencialmente recicláveis (aproximadamente 30% em
volume dos rejeitos). A lavagem destes filmes rejeitados resultou
num efluente com elevado teor de matéria orgânica: por exemplo,
a Demanda Bioquímica de Oxigênio medida foi de 750mg/
L. Os resultados dos ensaios mecânicos deste material reciclado
apresentaram valores na faixa esperada para resinas plásticas virgens,
indicando a viabilidade do processo da reciclagem.

Check Also

Professor do Paraná ensina a transformar lixo orgânico em adubo

Doutor em ciência do solo ensina a fazer compostagem composteira pode ser comprada, feita com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *