Reaproveitamento dos resíduos orgânicos através de um consórcio entre 7 municípios da Regiâo Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Sabemos que não é de hoje que alguns agricultores vem aproveitamento como adubo orgânico os restos de
animais e vegetais encontrados em suas propriedades, mas o aproveitamento do lixo domiciliar é bem mais
recente. Segundo pesquisas, diariamente mais de 70 milhões de toneladas de lixo e, com ele, cerca de 24,5
milhões de toneladas de matéria orgânica são jogadas nos aterros sanitários e lixões espalhados por todo o
país. Com isso desperdiçam-se 490.000 toneladas de nutrientes, o suficiente para adubar 104.000 ha de
hortas e jardins. Levando em consideração a Lei dos Resíduos Sólidos do Estado do Rio Grande do Sul e a
iniciativa de cada prefeito dos sete Municípios da Região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, foi
criado o Consórcio Intermunicipal de Tratamento de Resíduos Sólidos urbanos. Tendo como um dos objetivos
o reaproveitamento da matéria orgânica utilizando o método de compostagem. Os Resíduos Sólidos ao
chegarem a Unidade de Tratamento – CITRESU já foram selecionados através da coleta seletiva domiciliar,
mas mesmo assim passam por uma triagem em esteira. Em seguida o material é conduzido ao pátio de
compostagem e organizado em leiras triangulares. Nesta fase o composto entra em fermentação e é revolvido
por pás carregadeiras, sendo nesta fase também monitoradas as condições ideais para a fermentação, como
temperatura e umidade. Ao final de 60 a 70 dias tem-se o composto orgânico elaborado, e pronto para ser
utilizado pelos Municípios do Consórcio. Os sete Municípios do Consórcio produzem um total de 56% de
matéria orgânica em relação aos resíduos inorgânicos que também tem destino até o CITRESU. Outro ponto
a ser levado em consideração foi a locação da obra, como medidas técnicas ambientais corretas, economia no
transporte dos resíduos até a Unidade de tratamento e posterior retorno do adubo aos Municípios integrantes
do Consórcio. A utilização do composto terá a finalidade de adubação em horticultura e jardinagem. Este
projeto teve a sua viabilidade principalmente ao apoio da Fundação Nacional da Saúde e a distância dos
Municípios integrantes a sede da Unidade de Tratamento – CITRESU. Os maiores benefícios com esse
projeto foi a adubação orgânica para a horticultura, a reeducação da população para a área ambiental,
saneamento e redução de impactos ambientais.

Check Also

Floripa avança para a coleta porta a porta em quatro frações

Capital corre para alcançar metas lixo zero 2030. Seletiva flex, com coleta exclusiva de vidro …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *