Coleta Seletiva Solidária: desafios no caminho da retórica à prática sustentável

O programa Coleta Seletiva Solidária, iniciado em 2003 pela Prefeitura de

São Paulo e que prevê a realização da coleta seletiva domiciliar na cidade por meio

de cooperativas de ex-catadores de materiais recicláveis subsidiadas pelo poder

público, é sustentável em termos econômicos, sociais e ambientais? A iniciativa dispõe dos elementos e consegue alcançar os resultados que, na prática, podem garantir a sua manutenção como política pública? Para tentar responder essas duas perguntas, este trabalho se valeu da aplicação de indicadores de sustentabilidade para programas municipais de coleta seletiva em

parceria com ex-catadores e para as organizações neles envolvidas

Check Also

Veja como retirar gratuitamente composto orgânico produzido a partir de resíduos de feiras livres em SP

O composto é utilizado como adubo no serviço de jardinagem em praças e áreas verdes …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *